quarta-feira, março 01, 2006

"A matemática é o alfabeto com o qual Deus escreveu o Universo" - Galileu

Quem me conhece sabe o quanto eu DETESTO matemática. E é por um motivo bem simples: pouca aptidão. Eu até aprendo e consigo me tornar muito boa quando compreendo o conceito. O problema é que até compreender o conceito meu cérebro precisa de MUITO tempo, e isso geralmente significava notas baixas na escola. Mas por que eu estou falando isso? Esta semana que passou recebi por correio de uma amiga virtual de Brasília um livro chamado "How to get pregnant" (Como engravidar) escrito pelo Dr. Sherman J. Silber. Infelizmente o livro só está disponível em inglês, e é interessantíssimo. E neste livro ele fala um pouco da parte da matemática que eu mais odeio: ESTATÍSTICA. Todos vocês devem conhecer bem isso. De uma forma ou de outra. Eu e o Fê infelizmente estamos em mais estatísticas do que gostaríamos. Mas olha só, ele fala de duas coisas importantíssimas para quem está lidando com a infertilidade que eu gostaria de mencionar aqui. Uma delas é o tempo que leva para um casal engravidar. Ela cita um estudo que foi feito na Bélgica nos anos 70 e 80, com a participação de 632 mulheres férteis e jovens cujos maridos eram azoospérmicos, isto é, no conteúdo da ejaculação não havia nenhum espermatozóide. Foi usado esperma extremamente saudável proveniente de um doador para inseminar cada uma destas mulheres e olha só o que aconteceu: No primeiro mês, 130 das 632 ficaram grávidas. (20,57%) No segundo mês, 103 outras ficaram grávidas. (16,29%) No terceiro mês, 81 outras ficaram grávidas. (12,81%) Portanto, 49,67% das 632 mulheres engravidaram nos primeiros 3 meses de tratamento. No quarto mês, 54 outras ficaram grávidas. (8,54%) No quinto mês, 40 outras ficaram grávidas. (6,32%) No sexto mês, 73 outras ficaram grávidas. (11,55%) O livro diz que este é o momento em que os outros 27% restantes ficariam tentados a desistir. E é aí que entra a danada da estatística. Muitas mulheres deste estudo demoraram mais de 18 meses para engravidar e não tinham nada de diferente das mulheres que engravidaram antes. É só estatística. Ele diz ainda que quando tentaram o segundo filho, algumas mulheres que engravidaram rapidamente demoraram muito tempo e vice versa. MATEMÁTICA. É por isso que o "relaxa" que vc engravida me irrita. É estatística, não relaxamento. Quanto mais tempo vc tenta, mais chances tem, estatisticamente, de conseguir engravidar. Ponto. Outra coisa que eu queria comentar é como avaliar a fertilidade de vocês. Não é um conceito muito difundido aqui no Brasil, mas através de um ultra-som simplérrimo dá para vocês saberem, ainda segundo o autor, a quantas anda a fertilidade de vocês. Por mês, nós perdemos cerca de 1000 óvulos. É isto mesmo. Não importa se estamos tomando pílula, Lupron, Clomid, o que quer que seja. Inevitavelmente, 1000 óvulos são perdidos mensalmente. Isto quer dizer que a nossa fertilidade depende do nosso estoque de óvulos, determinado na 6ª semana de gestação. Algumas de nós é mais sortuda que outras, mas em geral, ao entrarmos na puberdade, temos uma reserva de cerca de 200.000 à 400.000 óvulos. Através de um ultra-som dá para fazermos uma estimativa de quantos ainda temos e de quanto tempo nos resta de idade fértil e até a menopausa. Vou explicar. Ao fazer o ultra-som, o médico é capaz de verificar o que se chama de folículos antrais. estes folículos estão na superfície do ovário, medem de 1 à 2mm e podem ser facilmente visualizados através de um ultra-som, desde que o médico saiba o que procurar e tenha paciência para ir mexendo a sonda do ultra-som para ver todos os lados do ovário. Quanto maior o número de folículos antrais, maior a fertilidade e mais longo o tempo para a menopausa. Este exame pode ser feito em qualquer fase do ciclo, mesmo que vc esteja usando pílulas ou medicamentos indutores de ovulação, pois estes folículos não participam do processo ovulatório (ainda). Vou colocar aqui uma foto para vcs verem do que eu estou falando. Example Estes pontinhos vermelhos todos (no ultra-som aparecem como bolinhas pretas) são os folículos antrais. Quanto mais, melhor. Existe uma relação entre o número destes folículos e as taxas de sucesso de uma FIV. Quanto mais, mais fértil a mulher, maiores a s chances de gravidez. Ele coloca uma tabelinha no livro também que faz uma relação entre o número de folículos por ovário e a a fertilidade e a menopausa. Vou reproduzir aqui. Lembrem-se de que os valores são médios e as estimativas gerais. Além disso, apesar da idade ser geralmente um fator determinante, algumas mulheres são extremamente férteis até os 40 anos, enquanto outras entram em menopausa precoce aos 30. Saber qual a sua contagem de folículos pode te ajudar a saber quanto tempo você ainda tem para esperar antes de partir para tratamentos mais agressivos. Tabela 3.2, página 67 O número de folículos antrais representa a Idade Reprodutiva e dá as seguintes predições estimadas Contagem de folículos antrais - Média de anos para último filho - Média de anos para a menopausa 20 - 14,8 - 24,0 15 - 9,3 - 18,4 10 - 4,2 - 12,9 5 - 0 - 7,3 Já dá pra ver que a coisa é complicada, né? Mas se você souber onde estar, pode decidir melhor o que fazer. Eu sei que estou na primeira categoria, pois tive 41 folículos na minha FIV, o que dá 20 por ovário. Isto significa que eu ainda tenho tempo, e se não fosse por outros fatores, poderia tentar mais tranquilamente sem intervenções por alguns anos. Para as que quiserem se aprofundar para depois conversar com seus médicos sobre este método de diagnóstico, sugiro ler este documento um dos únicos relativamente simples em português que encontrei, aqui . Viu só, é a danada da Matemática. Se alguém me dissesse que eu ia precisar tanto dela depois da escola eu ia dizer que estavam enganados. A vida dá voltas...

9 comentários:

Rosimeire disse...

Oi Andressa!
Post muito bom este, e bem interessante pra quem está tentando engravidar como eu, e já partindo p/3ª ICSI.
Obrigada pela aulinha gratuita.
Bjs,
Rosimeire

Lê disse...

Oi Dreds!!!!!
Muito legal este texto.
Muito mesmo.
Espero q vc esteja bem.
Um beijo bem grande.

aline disse...

Oi Dreds meu medico atual me disse isso . Que o negocio é mecanico . todo mundo sabe como é feito e que a anciedade naum tem nada a ver com isso , nem estress... fiquei meio assutada pq foi a primeira vez que ouvi isso . E agora vc escreve isso . to começando a acreditar
BJus

Isabella disse...

Andressa, ao seu contrário eu sou boa de matemática e de estatística também - sou engenheira. Mas entendo muito bem seu sofrimento e indignação quanto à essas pessoas que nos querem transformar em simples estatística também. Quando tive um aborto tudo que eu escutava era isso: x% das mulheres abortam o 1o. filho, y% abortam o segundo, você tem z% de chance de engravidar em w meses etc.etc.etc. Eu me sentia apenas um número que não importava muito para ninguém e sofria ainda mais. Ninguém parecia estar disposto a me compreender, a me confortar, a me dar colo... Só queriam me incluir em uma estatística, que para mim era a estatística do sofrimento, do ocaso... Gostei muito do seu post. Beijos, Isabella

MárciaPOA (motherns) disse...

Andressa, adorei o teu post. Não sei se já comentei contigo mas eu demorei quase um ano para engravidar. Hoje escrevendo parece pouco, mas foi um longo ano. E só não foi muito mais por pura sorte. Quando parei de tomar anticoncepcionais eu sangrei 1 mês inteiro, no segundo começou tudo igual e liguei para o meu gineco, ele disse que eu não estava ovulando e eu já passei a tomar clomid e fazer controle com ecografias. No terceiro controle, sem engravidar ele disse que alguma coisa estava errada e já saímos atrás da causa. Eu tinha endometriose e tive que fazer uma videolaparoscopia. Quando ele soube que era endometriose me disse que 40% das mulheres com esse problema não conseguem engravidar sem auxílio médico, e me pediu para tentar 3 ciclos antes de decidirmos o que faríamos. No primeiro mês eu já engravidei. Foi o meu mês mais tenso porque se não desse certo eu sabia que teria que percorrer um caminho difícil e estava muito nervosa. Ainda por cima ele me contou que naquele mesmo ano (estávamos em abril)ele tinha feito 2 vídeos para cauterização de endometriose e as 2 mulheres tinham engravidado no primeiro mês seguinte, e eu pensei que ele não teria tanto sucesso na terceira. Logo, na minha cabeça era absolutamente impossível que eu engravidasse, mas isso me deixou muito tensa - não foi aquele papo de 'desencanei porque achei que nunca mais ia dar certo e aí deu certo'.
Toda essa ladainha para te dizer que se fosse preciso relaxar para engravidar a Gabriela não estava aí - isso é a maior ignorância. Eu só não pulo no pescoço de quem diz essas coisa porque sei que a intenção é boa.
Hoje escrevi mais do que tu.
Beijos,

Sista Ná disse...

Ui, mas matemática é legal! E pode falar ai que vc viu a sua maninha linda gorduxa mais fofa do mundo....hunft!
Bjo no fê e em vc!

Cibele disse...

Dreds , adorei o artigo, vou compra esse livro, sou cientista e adoro estatistica hahahahah
beijao e espero que vc esteja bem

Lu disse...

Oi Andressa,
fiquei até com dor de cabeça com tantos números :-)
Aasim como você, eu prefiro as letras. Mesmo assim, acho muito bacana pesquisar e entender melhor as estatísticas e os mistérios do nosso corpo.
Um beijão. Tenha uma ótima semana.

Rosana disse...

Oi Andressa
este seu texto é otimo...obrigada por compartilhar conosco...
eu perdi 3 bebes, faço parte do grupo Unidas, e fiquei de 1998 ate 2004 pra ver a cara do meu filho vivo, ouvi tanta besteira no meio do caminho, e agora tem gente que esqueceu como foi dificil a minha gravidez e me pergunta com a maior cara de pau... vc não quer mais filhos???
Por mim eu teria uns 5 ou 6, mas estou na estatistica de quem tem poucos ovulos...nao me lembro de ter feito este exame , mas vou pedir pra fazer... o que nunca podemos é desistir... trago comigo uma frase, "... quem acredita sempre alcança..." esta era a nossa musica antes durante e depois... um beijo a vc e tenho certeza que vc é uma mãe maravilhosa e tera tambem seus filhos vivos com vc...
um super mega beijo
Rosana